sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Este tratamento fantástico contra o câncer foi aprovado nos EUA mas custa R$ 1,5 milhão


A Food and Drug Administration, agência que regula medicamentos nos EUA, aprovou na última quarta-feira o primeiro tratamento que altera geneticamente as células do próprio paciente para combater o câncer, um marco que deverá transformar o tratamento nos próximos anos.

A nova terapia transforma as células de um paciente em uma “droga viva”, e as treina para reconhecer e atacar a doença. O tratamento faz parte do crescente campo de imunoterapia, que reforça o sistema imunológico através de drogas e outras terapias e, em alguns casos, levou a longas remissões e, possivelmente, a curas.
“Eu acho que essa é a coisa mais emocionante que eu vi na minha vida”, disse Tim Cripe, oncologista que fazia parte do painel do comitê consultivo da FDA que votou a favor da aprovação da droga em julho.

A terapia, comercializada como Kymriah e feita pela empresa farmacêutica Novartis, foi aprovada para crianças e adultos jovens para um tipo agressivo de leucemia – leucemia linfoblástica aguda de células B – que tenha resistido ao tratamento padrão. A FDA chamou a doença de “devastadora e mortal” e disse que o novo tratamento enche uma “necessidade insatisfeita”.

Usando nossas próprias células
O tratamento altamente personalizado é chamado de terapia com células T CAR. É um tipo de imunoterapia contra o câncer – uma terapia que aproveita o sistema imunológico do corpo para atacar células cancerosas.

“Estamos entrando em uma nova fronteira em inovação médica com a capacidade de reprogramar células do próprio paciente para atacar um câncer mortal”, disse o comissário da FDA, Scott Gottlieb, em um comunicado. “Novas tecnologias como as terapias de genes e células sustentam o potencial de transformar a medicina e criar um ponto de inflexão na nossa capacidade de tratar e até mesmo curar muitas doenças intratáveis. Na FDA, estamos comprometidos em ajudar a acelerar o desenvolvimento e revisão de inovações de tratamentos que têm potencial para salvar vidas”, apontou.

Nome curto para Terapia com Receptores de Antígenos Quiméricos, o tratamento CAR-T pega as células da própria pessoa, remove-as do corpo, reprograma elas e, em seguida, coloca as células de volta no corpo, onde elas podem atacar células cancerosas.

Outros cânceres
A terapia da Novartis é um dos dois tratamentos de ponta para os cânceres do sangue que estão preparados para serem aprovados até o final do ano nos EUA. A FDA também deverá tomar uma decisão sobre outro tratamento CAR-T da Kite Pharma, que acabou de ser adquirido pela Gilead Sciences, neste caso, para o linfoma não-Hodgkin de células B agressivo (mais geral do que Linfoma difuso de grandes células B).

Em dados da Kite lançados em fevereiro, a empresa descobriu que, dentre os 101 pacientes, 36% tinham uma resposta completa ao tratamento após seis meses.

É um tipo de câncer que a Novartis quer obter aprovação no futuro. Em junho, a Novartis divulgou dados de seu ensaio de fase 2 de CTL019 em pacientes com linfoma difuso de grandes células B, uma forma agressiva de linfoma que é um dos dois tipos analisados pelos dados da Kite. O teste descobriu que dos 51 pacientes com DLBCL, 23 tinham uma resposta completa (o câncer tinha desaparecido completamente) ou uma resposta parcial (o que significa que o tumor exibiu sinais de que estava diminuindo).

Efeitos colaterais
Há alguns desafios que enfrentam novos tratamentos como o Kymriah, entretanto. Para começar, tratamentos únicos como esse não serão baratos. Kymriah, que será dada aos pacientes apenas uma vez e deve ser feita individualmente para cada um, custará 475.000 dólares, algo em torno de R$1,5 milhão. A Novartis diz que se um paciente não responder no primeiro mês após o tratamento, não haverá nenhum custo.

Além disso, esses tipos de tratamentos já foram mortais no passado. Em maio, a Kite Pharma revelou que uma pessoa havia morrido em um ensaio clínico para sua terapia CAR-T em fase avançada de edema cerebral, uma condição em que o fluido excessivo faz com que o cérebro inche. E, em julho de 2016, outra empresa CAR-T, a Juno Therapeutics, disse que quatro pessoas em seus ensaios clínicos morreram, todas de edema cerebral.

O Kymriah também pode ter efeitos colaterais que ameaçam a vida, incluindo quedas perigosas na pressão arterial. Por isso, a F.D.A. está exigindo que os hospitais e os médicos sejam especialmente treinados e certificados para administrá-lo, e que eles armazenem uma determinada droga necessária para reprimir as graves reações. [NY Times, Science Alert]

por Jéssica Maes
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário