domingo, 11 de março de 2018

Austrália será o primeiro país a eliminar completamente este tipo de câncer


A Austrália pode se tornar o primeiro país do mundo a eliminar completamente o câncer cervical.

Os esforços do governo para distribuir gratuitamente a vacina contra o vírus do papiloma humano (HPV) em escolas se mostrou um enorme sucesso.

A infecção sexualmente transmissível causa 99,9% dos casos de câncer cervical.

Sucesso
Em 2007, o governo federal australiano começou a oferecer a vacina a meninas de 12 a 13 anos. Em 2013, ela também foi disponibilizada para meninos.
Meninas e meninos com menos de 19 anos também têm direito a duas doses gratuitas da vacina.

O resultado dessa campanha foi incrível: entre 2005 e 2015, a porcentagem de mulheres australianas entre 18 e 24 anos com HPV caiu de 22,7% para apenas 1,1%.

Problema econômico
Em 2016, 78,6% das meninas australianas de 15 anos e 72,9% dos meninos australianos de 15 anos foram vacinados.

Nos EUA, onde a vacina não é gratuita, apenas 50% das meninas americanas entre 13 e 17 anos e 38% dos meninos americanos da mesma faixa etária receberam a vacinação, conforme dados publicados pela Henry J. Kaiser Family Foundation.

A situação é muito pior em vários países em desenvolvimento, onde a taxa de incidência de HPV permanece alta.

A administração da vacina nas escolas também se provou efetiva no Butão. Oferecer este tipo de acesso gratuito pode parecer uma medida cara, mas, como mostra o exemplo australiano, pode ser compensada pela erradicação do câncer cervical.

No Brasil
O Brasil realiza campanhas para distribuir a vacina a jovens de forma gratuita, pelo SUS (Sistema Único de Saúde). No entanto, como outros países latino-americanos, enfrentamos alguns problemas de diferentes ordens, incluindo baixa procura.

No primeiro ano do seu oferecimento, a procura pela primeira dose foi boa: chegou a 92% do público-alvo no Brasil, 85% no México e 97% na Colômbia – a maior cobertura do mundo na ocasião, em 2013. Nos anos seguintes, porém, a cobertura da primeira dose caiu. Chegou a 67% no Brasil em 2015.

Também é pequeno o número de meninas que tomam a segunda dose da vacina, necessária para que a pessoa ganhe proteção contra o vírus. No Brasil, de acordo com dados do Ministério da Saúde, 73% das meninas entre 9 e 14 anos foram vacinadas com a primeira dose desde 2014, mas somente 46% receberam a segunda dose e foram efetivamente imunizadas.

Ainda é cedo para prevermos o resultado da campanha brasileira na incidência de câncer cervical, mas os especialistas, como o professor de medicina preventiva da Universidade de São Paulo José Eluf Neto, acreditam que temos potencial para alcançar coberturas que rivalizem com as australianas. [ScienceAlert, Época]

por Natasha Romanzoti
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário