domingo, 11 de março de 2018

Esta agonizante doença afeta milhões de mulheres e ninguém fala disso


Duas condições de saúde que afetam milhões de mulheres, a endometriose e o mioma uterino, são pouco debatidas e estudadas, apesar de estimativas indicarem que potenciais tratamentos renderiam US$ 2 bilhões para a indústria.

Essas doenças podem causar muita dor e, em alguns casos, levar a infertilidade e procedimentos cirúrgicos.

Felizmente, alguns novos medicamentos estão sendo testados, embora os especialistas acreditem que estes – e outros problemas que atingem exclusivamente o sexo feminino – não recebam a atenção devida.


As condições

De acordo com a Federação Médica Brasileira, mais de 7 milhões de mulheres sofrem com endometriose somente no nosso país.

Essa enfermidade inflamatória crônica afeta cerca de 10% das mulheres em idade reprodutiva (entre 20 e 40 anos) e seu diagnóstico é demorado: aproximadamente 12 anos. Nessa condição, o tecido do útero cresce fora do órgão, levando a cistos, sangramento e cicatrizes.

Já miomas são nódulos que se desenvolvem de células do músculo uterino, o que leva a tumores benignos. Estes tumores crescem dentro e ao redor do útero, podendo causar grandes sangramentos e dor nas mulheres.

Metade das mulheres pode desenvolver um mioma em algum ponto da vida, mas nem todas apresentarão sintomas.

Situação atual
O tratamento da endometriose e de miomas uterinos envolve a alteração dos níveis hormonais no organismo.

Já existem algumas drogas que podem fazer isso, incluindo a leuprolide, sendo que contraceptivos também são usados para esse fim.

No entanto, alguns desses tratamentos vêm com efeitos colaterais importantes, incluindo perda de densidade óssea e ondas de calor.

As condições também podem ser tratadas por cirurgia, mas a esperança dos novos estudos é justamente criar tratamentos menos invasivos e com menos efeitos colaterais.

O que está sendo feito
Algumas empresas estão atualmente em busca de novas terapias para essas condições.

A Allergan está desenvolvendo a Esmya, uma droga para uso em miomas uterinos. Ela funciona modulando a progesterona, um hormônio chave para o útero. É um tipo de droga chamada de “moduladora seletiva de receptor de progesterona”. Bill Meury, diretor comercial da Allergan, disse ao portal Business Insider que espera obter resultados que possam colocar a droga para aprovação comercial em 2018.

A Bayer está testando a Vilaprisan, uma droga que também funciona modulando os níveis de progesterona. Como Esmya, é uma “moduladora seletiva de receptor de progesterona”. Em julho, a companhia iniciou um estudo de três fases para tratar miomas uterinos. O ensaio clínico deverá demorar três anos.

A Myovant está estudando a Relugolix, uma droga que funciona suprimindo o estrogênio em níveis baixos e, em seguida, reintroduzindo o suficiente para que ele não leve à perda de densidade óssea. É um tipo de medicamento chamado de “antagonista do receptor do hormônio liberador de gonadotrofina”. Os ensaios clínicos devem terminar em 2019, mas um teste realizado no Japão já descobriu que a droga não é inferior à leuprolide, um dos tratamentos já disponíveis para miomas uterinos.

A AbbAie, em parceria com a Neurocrine Biosciences, está trabalhando na Elagolix, uma droga que também funciona alterando os níveis hormonais em mulheres com miomas uterinos e endometriose para reduzir a dor associada às condições. Como a Relugolix, a Elagolix é “antagonista do receptor do hormônio liberador de gonadotrofina”. Em setembro do ano passado, a AbbVie submeteu o medicamento para aprovação comercial nos EUA e aguarda resultados.

Muito pela frente
Esses tratamentos, embora sejam idealmente capazes de tratar a endometriose e miomas uterinos com menos efeitos colaterais do que os atuais, não são ainda as melhores soluções.

“Quando as pessoas perceberem a diferença que podemos fazer nas vidas das mulheres, outras [companhias] seguirão”, espera Lynn Seely, CEO da Myovant.
Para chegarmos lá, mais pesquisas básicas sobre doenças relacionadas à saúde das mulheres precisam ser feitas.

Além dessas condições, existem muitas outras que precisam de mais atenção. A Allergan também está trabalhando em tratamentos para ajudar mulheres que sentem dor durante relações sexuais, enquanto a Myovant investe em uma droga para tratar a infertilidade que ainda está em estágios iniciais.

Saúde mental: mulheres internalizam emoções, homens exteriorizam
Ainda outras áreas, por exemplo relacionadas à saúde mental da mulher, como a depressão pós-parto, desesperadamente precisam de alguma inovação. [ScienceAlert, Abril, FMB]

por Natasha Romanzoti
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário