quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Comer 40g de queijo por dia pode reduzir risco de ataque cardíaco

Ingerir 40 gramas de queijo por dia pode ajudar a reduzir o risco de derrame e ataque cardíaco [Foto: Getty]

Queijo, o glorioso queijo. Ele provavelmente estará na mesa de aperitivos de todos nas festas deste fim de ano.

Felizmente a ciência acaba de nos dar mais um motivo para consumi-lo, já que desvendou outro de seus benefícios para a saúde.

Sim, ele pode ser rico em gordura, mas um estudo recente concluiu que comer 40 gramas de queijo por dia pode reduzir o seu risco de um ataque cardíaco.

Pesquisadores da Universidade de Soochow, na China, analisaram 15 experimentos realizados nos Estados Unidos e na Europa, nos quais foram monitoradas as dietas e condições de saúde de mais de 200 mil pessoas.

Eles concluíram que os indivíduos que comiam queijo regularmente, reduziram suas chances de ter um derrame em 10%, e diminuíram a probabilidade de desenvolver algumas doenças cardíacas em 14%.

Infelizmente, 40 gramas não é muito [Foto: Getty]

Se você é um grande fã dos laticínios, acalme-se: 40 gramas correspondem a um pedaço do tamanho de uma caixa de fósforo, então não podemos nos exceder no consumo.


Por que o queijo nos oferece este benefício?

Os pesquisadores acreditam que o cálcio presente no queijo impede que a gordura seja absorvida pelo corpo, ao mesmo tempo em que aumenta os níveis de colesterol bom. Um ácido que ajuda a prevenir o entupimento das artérias também pode ser encontrado neste alimento.

O estudo conclui dizendo: “Ele contém ácidos graxos saturados, mas também tem nutrientes potencialmente benéficos”.

Perfeito para a temporada de festas de fim de ano.

Lauren Sharkey
fonte
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário