segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

Exame de sangue simples detecta a presença de placas de Alzheimer no cérebro


Um exame de sangue pode detectar se placas de beta-amilóide estão se acumulando no cérebro do paciente – um indício de que a pessoa pode desenvolver mal de Alzheimer.
As pessoas com Alzheimer têm acúmulos de beta-amilóide no cérebro que costumam ser um dos principais fatores que ajudam no diagnóstico. Para visualizá-las, porém, é necessário fazer ressonâncias caras ou uma desconfortável punção lombar. Agora uma equipe médica desenvolveu um exame de sangue simples que torna possível que clínicos gerais investiguem o risco de Alzheimer em check-ups normais.

“Esse é o tipo de teste que pode ser usado para examinar milhares de pacientes para identificar aqueles com risco de Alzheimer, para começar o tratamento antes da perda da memória e do dano cerebral”, diz Randall Bateman, da Universidade de Washington em St Louis (EUA). Foi Bateman quem revelou a novidade no Congresso Internacional da Associação de Alzheimer, que está acontecendo em Londres.

Bateman diz que o teste poderia ser usado da mesma forma que realizamos exame de sangue para check-ups de colesterol. O exame funciona ao medir quantidades relativas de diferentes formas de beta-amilóide, um sinal de que as placas estão provavelmente se acumulando no cérebro do paciente.

O teste foi desenvolvido ao comparar a presença de beta-amilóides no sangue de 41 pessoas com os resultados dos exames de ressonância magnética que mostrava a quantidade de beta-amilíide no cérebro.

Diagnóstico precoce
A busca pelo medicamento que pode tratar a doença de forma eficaz continua, mas enquanto isso as evidências que mostram que o estilo de vida – exercício físico e dieta saudável – podem diminuir em 30% o risco de desenvolver a doença. Por isso, o exame de sangue pode tanto tranquilizar aqueles que não estão correndo risco de desenvolver a doença e também identificar aqueles que podem ter benefícios com uma mudança na rotina.

As placas amiloides começam a se desenvolver entre 15 e 20 anos antes dos primeiros sintomas do Alzheimer começarem a aparecer.

“Estou muito otimista em relação a este teste, mas gostaria de vê-lo validado”, diz Dean Hartley, membro da Associação de Alzheimer. “É uma amostra muito pequena, e eles estão tentando confirmar o resultado com mais 180 pessoas. Se conseguirmos criar esse exame de sangue, isso nos levará adiante, assim como os exames de sangue para colesterol fizeram com o campo da cardiologia”, diz ele. [ NewScience]

fonte
por Juliana Blume
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário