sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Dieta drástica reverte diabetes tipo 2 em 86% dos pacientes


Um novo estudo mostrou que o diabetes tipo 2 pode ser revertido com uma dieta radical de baixas calorias, mesmo em pacientes que têm a doença há seis anos. A pesquisa, das universidades de Newcastle e Glasgow, no Reino Unido, foi publicada na última terça-feira, dia 5, no periódico de saúde “The Lancet”.
O número de casos de diabetes tipo 2 tem disparado. Relacionada à epidemia de obesidade, a doença surge porque a gordura acumulada na região do abdômen impede o funcionamento correto do pâncreas. O estudo desenvolvido pelos pesquisadores mostrou que o quadro pode ser revertido pela perda de peso. O diabetes de nove a cada dez participantes (86%) que perdeu 15 quilos ou mais entrou em remissão.

“Essas descobertas são muito emocionantes. Elas poderiam revolucionar a forma como o diabetes tipo 2 é tratado”, declarou, em um comunicado à imprensa, o professor Roy Taylor, da Universidade de Newscastle, líder do grupo de pesquisa. Ele explica que a eficiência se dá por tratar a causa subjacente da doença. “Perda de peso substancial resulta em gordura reduzida dentro do fígado e pâncreas, permitindo que esses órgãos retornem à função normal.

Batizada de DiRECT (Diabetes Remission Clinical Trial), a análise clínica recrutou 298 pessoas ao todo, se baseou nos trabalhos prévios de Taylor e ainda está em andamento. “O que estamos vendo com a DiRECT é que a perda de peso não está apenas ligada a uma melhor gestão da diabetes tipo 2: a perda significativa de peso pode, na verdade, resultar em uma remissão duradoura”, afirma o pesquisador.

Remissão alcançada
No estudo, o quadro dos pacientes foi considerado em remissão quando os níveis de glicose no sangue (HbA1c) eram inferiores a 6,5% (48mmol/mol) em um ano, com pelo menos dois meses sem qualquer tipo de medicação para a diabetes tipo 2.

Do total de recrutados, metade recebeu de seu médico cuidados padrão e a outra metade passou a integrar um programa que tinha o controle de peso como foco de atenção primária. O programa incluiu uma dieta com baixo teor de calorias e nutrientes ao longo de três a cinco meses, reintrodução de alimentos e suporte médico a longo prazo para manter a perda de peso.

Enquanto mais da metade (57%) daqueles que perderam dez a 15 quilos entraram remissão, e um terço (34%) daqueles que perderam de cinco a dez quilos, apenas 4% do grupo controle chegou à remissão.
“Em vez de abordar a causa raiz, as diretrizes de gerenciamento para o diabetes tipo 2 se concentram na redução dos níveis de açúcar no sangue através de tratamentos medicamentosos. A dieta e o estilo de vida são abordados, mas a remissão do diabetes pelo corte de calorias raramente é discutida “, afirmou Taylor em entrevista ao jornal “The Guardian”.

“Uma grande diferença em relação a outros estudos é que aconselhamos um período de dieta de perda de peso sem aumento na atividade física, mas, durante o acompanhamento de longo prazo, o aumento da atividade diária é importante. A cirurgia bariátrica pode reduzir a remissão de diabetes em cerca de três quartos das pessoas, mas é mais cara e arriscada, e só está disponível para um pequeno número de pacientes”, explica.

Problema mundial
Segundo o “The Guardian”, em todo o mundo, o número de pessoas com diabetes tipo 2 quadruplicou em 35 anos, passando de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014. A expectativa é de que esse número chegue a 642 milhões até 2040. A diabetes tipo 2 pode levar a sérias complicações, incluindo cegueira, amputações dos pés e doenças no coração e no fígado.
No Brasil, o diabetes atinge 8,9% da população adulta e cerca de 90% dos casos são do tipo 2. Os dados são do sistema Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), do Ministério da Saúde, e são referentes ao ano de 2016. Entre os brasileiros, o diabetes causa 72,6% dos óbitos e, desde 2006, o índice de ocorrência da doença cresceu 61,8%. [The Guardian, Science Alert, Portal Saúde]

por Jéssica Maes
Atenção: O Saúde Canal da Vida é um espaço de informação, divulgação e educação sobre assuntos relacionados a saúde, não utilize as informações como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde. Este site não produz e não tem fins lucrativos sobre qualquer uma das informações nele publicadas, funcionando apenas como mecanismo automático que "ecoa" notícias já existentes. Não nos responsabilizamos por qualquer texto aqui veiculado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário